Destaques

A força da energia dos ventos

A força da energia dos ventos

Não se trata de uma escolha individualizada ou um segmento de mercado: a sustentabilidade é o caminho indispensável para o futuro do planeta. Precisamos da participação de todos e de cada vez mais soluções que contribuam para a pavimentação dessa estrada.

A geração de energia limpa e acessível tem papel crucial para todo o mundo. Conforme apontado pelo relatório Ranking do Wind Energy Council, neste ano, o Brasil se tornou o sexto maior produtor de energia eólica e apresentou o terceiro maior crescimento mundial na implementação de usinas eólicas, depois da China e dos Estados Unidos. Somente em 2021, o País expandiu sua capacidade instalada de energia eólica em até 3 megawatts.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) indicou o primeiro recorde de geração eólica instantânea de 2022. Segundo a entidade, no dia 8 de julho, foi atingida a produção de 14.167 MW de energia eólica no País. Para se ter uma ideia, é a quantidade suficiente para atender toda a região Nordeste durante um minuto e ainda sobrar mais de 23,2%.

Ela também se destacou no índice de expansão de geração de energia no Brasil registrado em maio deste ano. Do total de 2.162 MW, 144 MW foram de plantas eólicas, o que representa 45% do resultado, conforme apontado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

E ainda se tratando do Nordeste, a região vem recebendo cada vez mais investimentos do setor privado para a produção de energia renovável. Atualmente, corresponde a 20% do total de energia elétrica gerada no Brasil e, só de fonte eólica, tem outorgados 34,4 gigawatts e 19,7 já gigawatts já estão em operação. 

Como podemos ver, a energia eólica tem sido uma grande aposta no Brasil e no mundo na busca pela energia verde.

E por que ela é tão importante? É o que explicamos em detalhes neste artigo. Acompanhe!

Matriz elétrica brasileira e o papel da energia eólica

A matriz elétrica no Brasil é considerada uma das mais renováveis do mundo. Enquanto a nossa é composta por 83% de fontes renováveis, a utilização desse tipo fonte é de apenas 27% na média mundial.

De acordo com a ANEEL, 56,06% da atual matriz elétrica brasileira é obtida a partir de usinas hidrelétricas, 24,59% por usinas termelétricas, o que inclui fontes como gás natural, petróleo, carvão e biomassa, e 11,95% de usinas de energia eólica, sendo, assim, a segunda maior fonte do país. Logo em seguida, vêm as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), com 3,03% e as usinas de energia solar fotovoltaica, com 2,8%.

Segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), cerca de 36,2 milhões de residências podem ser abastecidas pela energia eólica, beneficiando 108 milhões de habitantes. Além disso, o uso dessa energia no país evitou a emissão de 34,4 milhões de toneladas de CO2 somente no ano de 2021!

Características especiais da energia eólica

Você sabia que a geração de energia eólica traz benefícios tanto para o meio ambiente quanto para questões socioeconômicas?

Para começar, ela é renovável, não polui e contribui para o enfrentamento da emergência climática no mundo.  A queima de combustíveis fósseis para uso em transportes e fontes de energia gera gases poluentes, sendo o CO2 o principal deles, e é responsável por 73,2% da emissão desses componentes no mundo, impactando diretamente no aquecimento global.

Por isso a necessidade mundial de busca por fontes alternativas de energia e que colaborem para a redução de gases de efeito estufa.

O exemplo de maior destaque de ação contra essa condição talvez seja a campanha Race to Zero (Corrida), criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e que reúne diversas nações e lideranças empresariais que se comprometeram a zerar a emissão de gases de efeito estufa até 2050.

Outro aspecto essencial de investimentos em fontes alternativas e renováveis é a garantia de segurança energética no Brasil e no mundo.

Em nosso país, por exemplo, o modelo predominantemente hídrico nos deixa vulneráveis aos períodos de estiagem. Portanto, a diversificação da matriz energética é uma medida indispensável para a garantia de fornecimento de energia, ininterruptamente, em todo o país.

Ibitu e sua excelência na geração de energia eólica

Ao todo, temos 5 parques eólicos: os complexos eólicos de Icaraí, Amontoada, Taíba, Caldeirão Grande do Piauí I e Riachão, localizados nos estados do Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte; além de 2 solares e 3 hidrelétricas, compondo assim o nosso portfólio 100% renovável, diversificado e com planejamento estratégico totalmente orientado para as premissas ambientais, sociais e de governança, o chamado ESG.

Atualmente, temos quase 500 MW de potência instalada em usinas eólicas, por meio de quase 200 aerogeradores.

E assim como mencionamos o papel das geração de energia eólica para as comunidades, esse assunto é prioridade em nossa empresa!

As nossas operações, incluindo também as de energia solar e hidrelétricas, impactam, positivamente, cerca de 4,4 milhões de brasileiros com geração de emprego e acesso à energia elétrica em locais que até então ainda enfrentavam dificuldades. E ainda apresentamos ao país como podemos caminhar rumo à sustentabilidade do mundo, protegendo vidas e evoluindo com inovação e tecnologia.

Conheça os nossos serviços e o nosso jeito de ser Ibitu!

Fontes:

Com acréscimo de 601,5 MW, maio tem a maior expansão da geração em 2022
Eólica registra 14.167 MW, o primeiro recorde de geração instantânea do ano | CanalEnergia

Brasil é o sexto maior em produção de energia eólica em terra do mundo | Repórter Brasil Tarde | TV Brasil | Notícias

Até 2026, sol e vento moverão mais 241 usinas | Suplementos | Valor Econômico Power BI Report

Matriz energética e elétrica

Aquecimento global: combustíveis fósseis são os principais vilões | Exame

Uma economia livre de carbono até 2050 é viável?

Energia solar e eólica no Brasil: tendências tecnológicas e vantagens competitivas nacionais

Compartilhe